A A A

História

HISTÓRIA WEST HIGHLAND WHITE TERRIER

Procedente da Escócia, supõem-se que chegou lá com a armada espanhola em seu ataque em 1588 contra a Grã-Bretanha. Quando a armada espanhola sofreu derrota, pôs-se em fuga e dispersou uma ou várias de suas naus, dirigindo-se, com as restantes, ao norte, até encalhar nas ribeiras dos Highlands, noroeste da Escócia. A bordo havia numerosos cães Terriers brancos, utilizados pelos marinheiros para caçar ratos.

Outra teoria, igualmente interessante, é a que afirma que estes cães foram cruzados com o Spaniel, justificando, assim, o seu amor pelo campo.

De qualquer modo, existem poucas dúvidas de que o rei Jaime I da Inglaterra requereu, vários anos mais tarde, ao Condado de Argyillshire para que enviasse "seis cães brancos do país", através da linha marítima Dover-Calais, como presente destinado ao rei da França. Preocupado com a segurança da travessia do Canal, perigosa naquela época, o rei Jaime I ordenou que os cães fossem separados em dois lotes de três cães cada um, expedindo-os em barcos distintos, demonstrando, assim, o elevado valor que o rei atribuía a estes cães vivos e alegres.

Historicamente, então, o West Highland White Terrier, chegou à região que lhe deu o nome por uma circunstância bélica. Sem dúvida, este cão, de nome tão grande, conhecido também afetivamente como WESTIE se fez, ao mesmo tempo, popular e impopular. Para alguns escoceses, o West se converteu em sinônimo de um cão ideal para a caça do sorro (pequena raposa); para outros, significava uma extravagância assemelhar-se aos Terriers.

O West Highland White Terrier é um caçador imaginativo de texugos, coelhos, nútrias e ratos. Seu pequeno corpo se contorce em locais onde escondem-se os animais e que as pessoas não conseguem alcançar. A aguçada inteligência do Westie desenvolveu-se graças a estas experiências de caça.

Apesar de serem poucos os Westies que têm a oportunidade de mostrar sua plena capacidade de trabalho, sua inteligência é indiscutível. Muitos escoceses preferem esta raça à qualquer outra para a caça de zorros.

Mais recentemente, no início do século XIX, o desenvolvimento da raça deve-se, principalmente, à família Malcolm. A raça que deu origem ao West foi o Cairn Terrier, mas, naquela época, os cães brancos eram eliminados, pois a pelagem branca consistia falha grave. Eis que, em uma caçada noturna, o Coronel Malcolm, do Condado Escocês de Poltalloch, confundiu um de seus cães com um zorro e atirou nele, matando-o. Desde então, passou a selecionar os cães de pelagem branca, de melhor visualização à noite. E assim o fizeram seus descendentes.

O Scottish Kennel Club reconheceu oficialmente a raça em outubro de 1904, o English Kennel Club, em 1907.

Além da Escócia, naturalmente, a Inglaterra e os Estados Unidos apresentam exemplares consideráveis. Na Europa, esta é a terceira raça mais popular e, dentre as raças de pequeno porte, é a preferida. Fora do Reino Unido, berço do Westie, os países que mais se destacam em qualidade são Espanha e Alemanha, possuindo vários campeões mundiais e mantendo altíssimo padrão de seleção.

Na América do Sul, o West está presente na Argentina e no Brasil, ainda que em número bastante reduzido.